Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

O Magrebe ditadores se levanta contra você Zehira Houfani

O início de 2011 será marcado pelo movimento de revolta popular que está abalando o Magrebe. Os motins da fome, dizem alguns, mas certamente a justiça eo fim das ditaduras e regimes que governam estes países mafiosos pela força e pela repressão. Enquanto na Tunísia continua turbulências nas últimas semanas, nos bairros de Argel na capital e principais cidades incham de quarta-feira [05 de janeiro], no desabafo do jovem, alimentado pela realidade cotidiana de mais absurdo em um país que se afunda sob o peso de petrodólares, dos quais abertamente aproveitar déspotas anos no poder.

Estima-se que as políticas da juventude argelina mais de 70% da população, mas o governo não oferece nada para abrir ou levar a sério esses milhões de jovens abandonados ao seu destino sem esperança no horizonte. Estão fadadas ao fracasso como endêmica, a toxicodependência ea prostituição, * hogra injustiça [] e as tentativas desesperadas de * migração ilegal e muitas vezes suicidas, como a indigência, vácuo este extraordinário político e cultural de um país que abandonaram o bom senso e o tempero da vida, porque é sufocado sob as leis do estado de emergência, destruída por governantes corruptos e submetido à ignorância e mais fiel intolerância avatar.

Sair às ruas para protestar violentamente contra os seus opressores jovens norte-africanos e do mundo começa a testemunhar o seu desespero, mas também mostrar o seu ressentimento para com suas elites e outros líderes da oposição. Isto é especialmente verdadeiro na Argélia, onde os jovens se sentem abandonados à própria sorte e abandonado pelas gerações anteriores, o da Revolução, que foi a glória do país, e Independência, ele nunca soube que ele estava assumindo o papel deles, ou seja, tornar o Estado de Direito, o objetivo final da revolução argelina.

Uma vez que a violação da Constituição pelo presidente Bouteflika tratar-se de um terceiro mandato, apesar do equilíbrio entre os dois anteriores foram mais infeliz para o país para os devotos do comercialismo locais e internacionais, muitas vezes sem escrúpulos e para as pessoas sujeitas a terríveis condições de vida e lutando bravamente para sobreviver ao ser atacado por exibindo abertamente luxo indecentes que estão no poder. A situação vem se deteriorando por anos, mas temos notado que mais humilhante e ignorando o povo, suprimindo a liberdade de expressão, que proíbe a abertura da arena política e da mídia, garantindo a impunidade dos criminosos mais conhecidos do público e corruptos e relatadas por várias transgressões e traições, o regime de Bouteflika já é responsável por uma tragédia que ameaça a Argélia.

O presidente falhou em todas as suas promessas de campanha, mentiu para os argelinos e, pior, tem sido inovado em má governação cercar-se de 13 ou 14 ministros de seu próprio povo, trazendo de volta à moda, o poder dos clãs Em vez de moralizar um pouco as práticas políticas e guiada por iniciar a boa governação, antecipando-se a regra de direito que tinha sido prometido.O acordo [em Inglês] só negócio que parece importar ao presidente que a megalomania e vaidade, que caracteriza os líderes árabes, negócio que correu bem desde que chegou ao poder, é bombear mais petróleo ao peculiar é dividido entre seu clã e os militares estão cada vez mais impressionantes clientela que garante um totalmente dedicado à sua presidência. Os clientes que optaram por viver longe do ambiente de miséria, em uma fortaleza imponente, cidadelas áreas verdes e de difícil acesso para as praias públicas privatizadas por "decreto" para roubar a confiança do público. Com o dinheiro do povo construíram abrigos pequenos e tornaram-se o mais afortunado, porque ao contrário dos ocidentais ricos, que muitas vezes têm se esforçado para construir suas fortunas, os ditadores, inclusive os líderes da Argélia, eles simplesmente recorrer à bens públicos em seus países para satisfazer, pelo menos o dos seus desejos. Uma situação que o povo argelino não querem mais apoio. Reivindicações da dignidade humana que se apoderou do poder totalitário de privá-lo de um mínimo de vida decente, ou seja, a distribuição equitativa dos recursos nacionais, o direito ao trabalho devidamente remunerados a uma habitação para uma família e, é claro Essa liberdade de pensar e evoluir pacificamente.Muitas reivindicações que não se dá bem com uma ditadura, mas sim exigir que o estabelecimento do Estado de Direito.

É isso no começo do fim das ditaduras dos países do Magrebe? A bola está no campo das elites políticas e da integridade desses países deve não só tomar as demandas de seus povos, mas também para ser ouvido nas arquibancadas, não só locais, mas também na cena internacional.Uma maneira de ver as suas responsabilidades para com as grandes potências que apoiam a ditadura desprezo de muitas pessoas no planeta. No futuro, ele não agüenta mais a negação dos direitos humanos ou no Magreb ou na África ou na América Latina. Os líderes concordaram em promover e até mesmo impor, a globalização dos mercados e hoje, em 2011, as pessoas levam para a globalização da democracia.

* N. do T.: O termo usado pelo autor é "harraguisme", que vem da palavra árabe "harragas" com o qual é designado no Magrebe pessoas antes de cruzar o Estreito de gravar seus trabalhos para deixar o país sem rastreamento e dessa forma impedir o seu regresso. Por seu lado, a palavra "hogra", "desprezo", em dialeto argelino é o termo que expressa tanto desprezo, abuso de poder ea injustiça das autoridades argelinas para o seu povo.

Fonte: Casa das Áfricas

Nenhum comentário:

Postar um comentário