Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

sábado, 16 de julho de 2011

JONGO - O DESAFIO DE UMA HERANÇA


JONGO - O DESAFIO DE UMA HERANÇA

Ao serem trazidos para o Brasil, os negros trouxeram como bagagem suas práticas sociais, entre elas: a música, a dança e a religião. A música, para eles, tinha conotação tanto religiosa como festiva e geralmente era associada a dança e ao canto.

É evidente, que com o passar do tempo, todas estas práticas foram sofrendo modificações ou ajustes, uma vez que, foram mescladas com a cultura do povo que aqui já habitava, passando então, a abordar novos temas. Também foram utilizados para estas evoluções, instrumentos europeus e indígenas, pelo seu fácil acesso e, sobretudo, foi adotada a língua portuguesa, como língua de expressão.

Uma dessas práticas foi o jongo - uma das mais ricas heranças da cultura negra presente em nossa cultura popular para celebrar São Benedito e os ancestrais negros.

O jongo era uma "brincadeira", uma dança de roda dos antigos escravos, permitida pelos senhores, já que outros ajuntamentos dos negros, para os brancos, poderiam resultar em movimentos revoltosos. Como o jongo era uma herança trazida da África, os velhos jongueiros transmitiam a tradição aos seus descendentes e, assim, preservou-se essa expressão folclórica até os dias atuais da qual participam homens, mulheres e crianças.

Jongo é, portanto, uma dança de origem afro-brasileira, da mesma raíz do batuque, ambos ancestrais do samba e do pagode. O Jongo nasceu nas terras por onde andou o café. Surgiu na Baixada Fluminense, subiu a Mantiqueira e se espalhou pelo litoral Atlântico até o Sul da Bahia.

Na dança participam homens e mulheres alternados. No centro da roda, se posiciona um jongueiro que canta sua canção, o “ponto”, que pode ser cantado, rezado ou murmurado. Os participantes respondem em coro, com compassos fortes, fazendo movimentos laterais e batendo palmas, nos seus lugares. O jongueiro improvisa passos movimentando todo o seu corpo.

O instrumental é geralmente composto por percussão e instrumentos de folhas de flandres.

O jongo tem início sempre com uma louvação, acompanhada com muito respeito por todos os participantes, porém não é uma prática fetichista ou ritual.

As melodias são contruídas com o uso de poucos sons. O jongo tem início sempre com uma louvação, acompanhada com muito respeito por todos os participantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário