Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

sábado, 16 de julho de 2011

AS ÁFRICAS QUE COLOREM A CULTURA DO BRASIL


O MACULELÊ

O Maculelê é uma dança, um jogo de bastões remanescente que tem origem Afro-indígena; foi trazida pelos negros da África para cá e aqui foi mesclada com a cultura dos índios cumbis que aqui já viviam.

A característica principal desta dança é a batida dos bastões uns contra os outros em determinados trechos dos cantos cadenciados acompanhados pela forte batida do atabaque. Esta batida é feita quando, no final de cada frase da música os dois dançarinos cruzam os porretes batendo-os dois a dois.

Os passos da dança se caracterizam pelos saltos, agachamentos, cruzadas de pernas, etc. As batidas não cobrem apenas os intervalos do canto, elas dão ritmo fundamental para a execução de muitos trejeitos de corpo dos dançarinos.

O Maculelê tem muitos traços marcados que se assemelham a outras danças tradicionais do Brasil como o Moçambique de São Paulo, a Cana-verde de Vassouras-RJ, o Bate-pau de Mato Grosso, o Tudundun do Pará, o Frevo de Pernambuco, etc.

Dentro da história da escravidão no Brasil, o Maculelê era a dança que os escravos praticavam no meio dos canaviais ou nas senzalas, com cepos de cana nas mãos para extravasar todo o ódio que sentiam pelas atrocidades e investidas dos feitores. Eles diziam que era dança, mas na verdade era mais uma forma de luta contra os horrores da escravidão e do cativeiro. Os cepos de cana substituíam as armas que eles não podiam ter e os pedaços de pau que, por ventura, não encontrassem na hora.

Enquanto "brincavam" com os cepos de cana no meio do canavial, os negros entoavam músicas que evidenciavam o sofrimento. Porém, eles as cantavam nos dialetos que trouxeram da África para que os feitores não entendessem o sentido das palavras. Assim como a "brincadeira de Angola" camuflou a periculosidade dos movimentos da capoeira, a dança do Maculelê também era uma maneira de esconder os segredo desta dança que, em realidade, era um jogo, uma luta de defesa onde os negros se defendiam com largas cruzadas de pernas e fortes porretadas que atingiam principalmente a cabeça ou as pernas do oponente, de acordo com o abaixar e levantar do lutador com os porretes em punho, pulando de um lado pro outro dificultando o assédio do oponente.

Atualmente o Maculelê é considerada uma dança do acervo da cultura popular muito admirada nas apresentações dos grupos capoeiristas, principalmente, nas festas de Nossa Sra da Purificação em Santo Amaro, na Bahia e na festa de São Benedito, em alguns municípios do Espírito Santo.

Para se preservar a questão da herança cultural e os costumes, os integrantes do grupo de Maculelê devem estar vestidos a caráter, com trajes em tecido de algodão cru ou confeccionados com fibras de palmeira ou bananeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário