Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

terça-feira, 12 de julho de 2011

Diferenças na criação de meninos e meninas podem prejudicar a criança

Diferenças na criação de meninos e meninas podem prejudicar a criança; veja exemplos - Comportamento - UOL Estilo: Moda, dicas de beleza, comportamento e estilo de vida

KATIA DEUTNER
Quem nunca ouviu as frases: "Seu irmão pode porque é homem" ou "Você é homem e não precisa disso"? Uma verdadeira chatice para os filhos, mas para os pais, não. Criar de forma diferente meninos e meninas ainda é comum nas famílias brasileiras. "Elas são educadas para serem meigas, delicadas, cuidadoras, com incentivo à maternidade, à domesticidade e ao embelezamento. Já eles são encorajados a serem agressivos, ativos, independentes", diz a psicóloga Jane Felipe, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.As expectativas que a sociedade estabelece entre homens e mulheres. "Há pesquisas que mostram o quanto os adultos se preocupam, até mesmo com bebês, de forma diferenciada em função do sexo. Por exemplo, quando um menino tem sono inquieto, isso não é motivo de preocupação, pois espera-se que eles sejam mais agitados. No entanto, para as meninas, os pais consideram preocupante, pois acham que elas devem ser mais calmas."E isso é certo?

Há diferença na criação de meninos e meninas? Veja opiniões colhidas nas ruas


Diferenças existem e devem ser respeitadas. "Entretanto, os pais precisam se atentar para que essas especificidades não sejam traduzidas em forças e fraquezas, em qualidades e defeitos, mas em comportamentos próprios, não só ao gênero ao qual pertencem, mas também ao ambiente social e ao comportamento que é esperado neste meio", afirma a psiquiatra Ivete Gianfaldoni Gattás, coordenadora da Unidade de Psiquiatra da Infância e Adolescência da Universidade Federal de São Paulo."Cada filho deve ser criado diferentemente, já que se trata de um ser único, com necessidades, desejos, potencialidades e limitações únicas. Depende da demanda de cada um, se estiver estritamente ligada ao gênero, sim, haverá diferenças de criação, do contrário não", explica a psiquiatra.Oportunidades iguaisDe acordo com os especialistas, diferenças entre os sexos não são naturais, mas construídas socialmente. "Cabe aos pais dar oportunidade a experiências diversas a seus filhos e filhas. Por exemplo, dar às meninas brinquedos e brincadeiras que incentivem o raciocínio lógico-matemático da mesma forma que incentivam os meninos", afirma Jane Felipe. "Os mesmos cuidados com um filho, que sai para a balada e volta de madrugada, também deve ser dado à filha. Ensinar a arrumar seu próprio quarto, preparar sua refeição são atribuições de todos, sejam meninos ou meninas", segundo Ivete Gattás.
Conheça algumas dicas do best seller Criando Meninos, do escritor Steve Biddulph (ed. Fundamento) para incentivar seu filho durante a vida toda

1. Não comenta o erro de tratar o menino com rispidez.Infelizmente, os adultos têm essa péssima mania. “Estudos demonstram que os pais abraçam e acariciam muito mais as filhas, mesmo quando recém-nascidas, e falam menos com os meninos. As mães dos meninos tendem a bater neles com mais força e com mais frequência do que o fazem com as meninas.”2. Demonstre interesse e prazer em ensinar e conversar com seu filho. “O cérebro dele desenvolve maior habilidade verbal e ele se torna mais sociável.”3. Mães devem ser mais presentes nos primeiros anos. Privar o filho de calor e afeto de sua presença faz com que o menino desligue a parte mais terna e amorosa. “Ele conclui que dói demais amar alguém sem ser correspondido. No futuro, terá problemas tornando-se um homem tenso e irritável.”4. Decisões devem ser tomadas em conjunto pelos pais. Não deixe o trabalho difícil só para a mãe. Há maneiras de disciplinar calmas e firmes. “Faça questão do respeito. Não seja você também uma das crianças.”5. Seja expansivo. Abrace, beije, brinque com atividades calmas. “Alguns pais temem que, por darem carinho a seus filhos, eles se tornem 'maricas' ou, talvez, gays. Não é assim. Na verdade, pode ser o contrário. Muitos gays ou bissexuais dizem que a falta de afeto paterno contribuiu para tornar a afeição masculina mais importante para eles.”6. Tenha uma estrutura familiar. Meninos se sentem inseguros em perigo. “Se ninguém está no comando, eles começam a competir para determinar a ordem social. Sua natureza movida a testosterona os leva a querer estabelecer hierarquias.”7. Pai deve ensinar qualquer coisa ao menino – ele irá adorar.“Se você não sabe pescar, fabricar objetos ou consertar carrinhos e computadores, tudo bem; vocês podem aprender juntos. O importante é tentar.”8. Encontre algo que ocupe o espírito do menino quando ele completar 14 anos. Dê asas à sua existência. “Todos os pesadelos que povoam a imaginação dos pais (álcool, drogas, crimes) só acontecem quando não encontramos canais para o desejo que o jovem tem por glória e papéis heroicos.”

ENTRE ELES E ELAS
Diferenças na educação dada pelos pais (e que podem ser repensadas):

MeninosMeninas
Praticam artes marciaisFazem balé
Brincam de carrinhoBrincam de boneca
Não ajudam em afazeres domésticosPrecisam ajudar nos afazeres domésticos
Podem sair sozinhosNão podem sair sozinhas
São menos contrariados e têm poucos limitesRecebem educação mais rígida
Aprendem a não levar desaforo para casaAprendem que jamais podem se meter
em confusão
São cobrados a ter desempenho intelectual e
físico superior
Menos estimuladas a se destacarem intelectualmente
ou serem fisicamente fortes
Podem falar palavrãoProibidas de falar palavrão
Estímulo da sedução mais agressivaEstímulo do jogo de sedução casta
Podem brincar na ruaNão podem sair

Fonte: UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário