Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Pacote do projeto A Cor da Cultura é disponibilizado na internet

Por Daiane Souza / FCP

Produzido para contribuir para a inserção da temática da cultura afro-brasileira nas escolas e lançado na última segunda-feira, o segundo pacote pedagógico A Cor da Cultura já está disponível para download no site do projeto. A iniciativa visa fazer com que professores e estudantes percebam com outro olhar o continente africano e sua contribuição para o desenvolvimento da sociedade brasileira.
O pacote é mais uma medida prática adotada a partir da aprovação da Lei 10.639, que torna obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares do País. Integram o conjunto DVDs com novos episódios das cinco séries que fazem parte do projeto, dois cadernos pedagógicos e três mapas – um do continente africano, outro da diáspora africana e outro dos valores civilizatórios afro-brasileiros.

COMO ADQUIRIR – Professores e interessados podem ter acesso ao novo material em pdf no portal www.acordacultura.org.br, além de 97 episódios em vídeo de duas das cinco séries já lançadas. O Ministério da Educação (MEC) disponibilizará o material físico aos municípios, porém, as escolas devem se cadastrar também via o citado portal. A solicitação ao MEC deve ser feita pelas secretarias de educação, incluindo o projeto em seu plano de ação de 2012.
A Cor da Cultura é resultado de parceria entre o Ministério da Educação (MEC), a Fundação Cultural Palmares (FCP), a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), o Canal Futura, a Petrobras, o Centro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan) e a Fundação Roberto Marinho.

FONTE: Áfricas.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário