Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

domingo, 5 de junho de 2011

Família Real no Brasil

A partida
Dependente do comércio britânico, Portugal se viu num enorme impasse: atender à França significava perder sua principal colônia na época, o Brasil, pois a marinha inglesa dominava os mares e poderia invadi-lo. Não atender às exigências napoleônicas significava ter seu próprio território invadido pelas tropas francesas.

Sabiamente, o príncipe regente dom João, que governava no lugar da mãe, dona Maria I, que enlouquecera, decidiu ficar do lado dos ingleses e a solução encontrada para não se submeter a Napoleão foi transferir a Corte portuguesa para o Brasil. Embora o território português fosse invadido, o Reino de Portugal sobreviveu do outro lado do Atlântico.

Entre 25 e 27 de novembro de 1807, cerca de 10 a 15 mil pessoas embarcaram em 14 navios, a família real, a nobreza e o alto funcionalismo civil e militar da Corte. Traziam consigo todas as suas riquezas. Os soldados franceses, quando chegaram a Lisboa, encontraram um reino pobre e abandonado.

A chegada
A viagem da elite portuguesa não foi nada fácil, em especial devido a uma tempestade que dispersou os navios. Enquanto parte deles veio dar no sudeste, o que conduzia dom João aportou na Bahia, em 22 de janeiro de 1808 e ali permaneceu por mais de um mês. D. João assinou o Tratado de Abertura dos Portos às nações amigas, exceto a França acabando com o monopólio comercial português e instalando o livre comércio na colônia. Em março, o príncipe regente preferiu transferir-se para o Rio de Janeiro, então pouco mais que uma vila.



De uma hora para outra, o Rio se viu obrigado a alojar uma multidão de nobres autoridades. Para os donos do poder, porém, não havia problemas. Dom João requisitou as melhores residências, simplesmente despejando seus moradores. Dali, agora, o Império português seria governado.

A administração Portuguesa
Apesar dos transtornos, as consequências da vinda da família real portuguesa para o Brasil foram positivas e culminaram com o processo de Independência do país. Todas as atividades no país se dinamizaram com a fixação da Corte no Rio de Janeiro. A necessidade de melhoramentos resultou em medidas que trouxeram rápido progresso.

As principais medidas administrativas tomadas por D. João no Brasil foram o Tratado de Livre Comércio e Navegação de 1810, a reorganização da administração com a nomeação de ministros de Estado, criação de diversas secretarias públicas, instalação de Tribunais de Justiça, fundação do Banco do Brasil, liberação da atividade industrial brasileira, implantação de diversas academias e obras culturais como a Academia Militar e da Marinha, o hospital militar, criação do ensino superior com duas escolas de medicina, criação do Jardim Botânico, inauguração da Biblioteca Real, fundação da Imprensa Régia que publicou o primeiro jornal brasileiro, a Gazeta do Rio de Janeiro, criação da Academia de Belas Artes, contratação de artistas e professores estrangeiros e a elevação do Brasil a Reino Unido a Portugal e Algarves em 1815, onde o país adquiria a autonomia administrativa.

Com a morte da rainha D. Maria I em 1816, o príncipe regente seria aclamado e coroado rei, como D. João VI em 1818. A partir de 1821, as capitanias passaram a ser chamadas de províncias e a divisão territorial do Brasil se aproximou da atual. A administração ficou centralizada nas mãos do rei e dos governadores das províncias a ele subordinados.

O retorno
Em 1811, os exércitos napoleônicos já haviam sido expulsos de Portugal pelos ingleses. O militar inglês lorde Beresford, passou a administrar o país, enquanto a Corte estava no Brasil. A população sofria com a decadência do comércio, a fome, a miséria e a tirania política dos estrangeiros.

Os portugueses estavam insatisfeitos e, em 1820, estourou a Revolução Liberal do Porto, cidade ao norte de Portugal. Os rebeldes exigiram a volta de dom João e a expulsão dos governantes estrangeiros. Cedendo às pressões de Portugal, D. João VI voltou em 26 de abril de 1821. Deixou, contudo, seu filho dom Pedro como regente do Brasil.























Um comentário:

  1. olha parabéns pelo trabalho sou professor de historia e usei o filme para trabalhar com a 7 serie eles adoraram

    ResponderExcluir