Você encontra aqui conteúdos da disciplina História e Cultura Afro- Brasileira para estudos e pesquisas, como também, assuntos relacionados à Política, Religião, Saúde, Educação, Gênero e Sociedade.
Enfim assuntos sobre o passado e sobre nosso cotidiano relacionado à História do Brasil e do Mundo.







Seguidores

Visitantes

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Bahia aprova lei inédita que institui carreira de professor indígena


http://www.egba.ba.gov.br/diario/_DODia/DO_frm0.html

ENSINO
Os docentes terão liberdade para divulgar o saber, considerando a educação adequada às peculiaridades das etnias

A Assembleia Legislativa da Bahia aprovou a Lei nº 18.629/2010, inédita no país, que institui a carreira de professor indígena no quadro do magistério público estadual. A proposta, encaminhada pelo Governo da Bahia, foi construída coletivamente pela Secretaria da Educação (SEC) e os movimentos indígenas. São 14 etnias indígenas, distribuídas em todo o estado.

O projeto de lei, aprovado no dia 22 deste mês, prevê a construção de uma educação diferenciada, específica e com qualidade, resultante do exercício partilhado com os índios. A linguagem, o método e a formatação de ensino, direcionados especificamente para os índios, passam a ser peças fundamentais no entendimento e preservação da cultura indígena.

"A aprovação desta lei responde a antiga reivindicação do movimento indígena e tem como fundamento garantir uma educação específica intercultural e de qualidade, respeitando a cultura e os costumes dos povos indígenas", afirma o secretário da Educação, Osvaldo Barreto. Com a lei, os professores terão a liberdade de ensinar, pesquisar e divulgar o saber, considerando a educação diferenciada e adequada às peculiaridades das diferentes etnias.

Garantia trabalhista – A Bahia possui 397 professores indígenas atuando nas 62 escolas instaladas nas aldeias – oito estaduais e 54 municipais. No total, estão matriculados 7.122 estudantes de 116 comunidades, atendendo às 14 etnias.

"Além da garantia trabalhista dos professores como cidadãos baianos e brasileiros, a regulamentação da sua vida funcional significa a continuidade de uma gestão autônoma na implementação do novo marco legal da educação intercultural indígena na contemporaneidade", comemora a professora de História, Rosilene Araújo, índia tuxá, coordenadora de Educação Indígena da SEC.

A regulamentação do projeto de lei é comemorada pelas lideranças indígenas. "Queremos uma educação em que o índio pode ser doutor sem deixar de ser índio", enfatiza o cacique Lázaro Kiriri, da aldeia Mirandela, no município de Banzaê.

Formação e produção de material didático

A Secretaria da Educação vem investindo na formação de professores indígenas. Desde 2007, a Coordenação de Educação Indígena mantém um programa regular para atender aos professores em suas comunidades. Serão 115 docentes concluindo, no primeiro semestre de 2011, a formação inicial do Magistério (nível médio) específico para docentes indígenas.

Na formação de nível superior, 108 professores indígenas estão fazendo a Licenciatura Intercultural na Uneb e outros 80 professores no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba), em Porto Seguro, uma parceria da SEC e o Ministério da Educação com as duas instituições de ensino. Mais 200 professores também cursam a formação continuada de ensino fundamental (séries finais) e ensino médio.

A formação é acompanhada da produção de material didático específico para os estudantes indígenas. A SEC, em parceria com o MEC, produziu e distribuiu material para as 62 escolas indígenas do estado. Os conteúdos foram elaborados pelos próprios professores indígenas.

"O resultado vai subsidiar a política de educação específica diferenciada para os povos indígenas", informa a coordenadora Rosilene Araújo, ressaltando que "a Bahia está em processo de transição entre a escola posta para índios na visão externa e a nova escola pensada e construída a partir da visão indígena".

Para a coordenadora, o grande objetivo da secretaria é "consolidar uma escola que reflita sobre o modo de vida próprio, a valorização e a manutenção das culturas e tradições indígenas e o aproveitamento sábio dos territórios tradicionais. A educação escolar ganha, portanto, novo sentido para esses povos, tornando-se um meio de acesso a conhecimentos universais, sistematização de saberes tradicionais e ressignificação dos valores culturais".

Nenhum comentário:

Postar um comentário